12 de mai de 2013

Talvez se eu não fosse tão sensível, se eu não tivesse a intenção de estar bem, sempre bem. Talvez se eu não me sentisse mal, muito mal quando eu vejo que as relações que tenho poderiam ser infinitamente melhores e menos doloridas se o julgamento e as cobranças fossem esporádicas e não algo frequente e temido diariamente.

Talvez se entendessem de uma vez por todas que eu não sou perfeita e não tenho pensamentos, atitudes e ações perfeitas a vida fosse mais leve. Talvez se existisse um dia comemorativo, uma data especial que não terminasse melancólico, a vida seria mais desejada. 

Talvez, um dia, se as pessoas entendessem que as pessoas têm personalidades e vontades distintas, aí enfim, a gente poderia dizer tudo o que se vive e se pensa.

2 de mai de 2013

Hoje eu quase me desfiz de um celular velhinho, velhinho que nem para despertador serve mais. Até que cheguei nas gravações de voz que eu fazia muito na época em que comprei esse aparelho! Gravava duas coisas: eu ensinado eu mesma a fazer bolos e os meus primos gêmeos falando o que dava na telha deles... Na época eles tinham uns 4, 5 anos...hoje têm 12! 
Os absurdos são vários e evoluiram com o passar dos anos... Um xingando o outro, a minha irmã repreendendo eles e depois aquela vozinha "me desculpe" onwww! E tem também meu vô sendo entrevistado por eles, fazendo as gracinhas dele e insistindo em dizer que o nome dele é só vovô!

É lindo e triste perceber como a vida passa, os momentos voam, o amor só aumenta e chega a doer perceber que a gente realmente não tem tanto tempo assim.