18 de mar de 2013

Para nunca esquecer

Sonhar pode ser bom ou péssimo. Mas esse sonho que eu tive com certeza foi um dos meus melhores. Nele, meu vô (já falecido) estava em um quarto doente e um por um da família ia entrando para se despedir e todos saiam chorando, tristes...mas quando chegou a minha vez, eu entrei e quando saí todo mundo me perguntou por que eu saí rindo, alegre. Aí eu contei que eu entrei, coloquei a mão nele, então ele acordou, sorriu pra mim, pegou a minha mão, fez cócegas e começou a brincar dizendo que tinha "coceguinhas" e o meu sonho terminou com ele dizendo que me amava muito. 

Quem me conhece sabe o medo que eu tenho da morte, de morrer...(Quando era pequena e íamos visitar o túmulo dele, ao chegar em casa, eu tinha pavor daquela terra que ficava grudada nos meus sapatos), mas depois daquele sonho, tenho percebido que isso não me causa mais tanto terror, sabe?
Eu convivi muito pouco com o meu vô, ele morreu quando eu era pequena, então a minha imaginação sobre ele sempre foi muito fértil: já sonhei que o seu caixão estava no banheiro de casa, já sonhei com um quarto escuro e ele morrendo, doente. Mas esse sonho eu acredito que foi um presente dele, de Deus, pois ternura maior não há de existir.

4 comentários:

Oscar disse...

Sonho lindo mesmo,um presente..
a morte ainda é cheia desse "mistério",desse "Deus me livre"...
sei lá,é um ciclo né..todo mundo vai parar por lá..o que deveríamos aprender é lidar com isso,deixarmos de ser egoístas..enfim..eu tambem tenho medo de perder uma porção de pessoas,não fujo a regra..rssrsr

C. disse...

Duvido que ,de verdade, alguém não tenha medo de morrer. Poxa, é o maior mistério da face da terra haha

Oscar disse...

gil definiu muito bem a coisa



não tenho medo da morte
mas sim medo de morrer
qual seria a diferença
você há de perguntar
é que a morte já é depois
que eu deixar de respirar
morrer ainda é aqui
na vida, no sol, no ar
ainda pode haver dor
ou vontade de mijar

a morte já é depois
já não haverá ninguém
como eu aqui agora
pensando sobre o além
já não haverá o além
o além já será então
não terei pé nem cabeça
nem figado, nem pulmão
como poderei ter medo
se não terei coração?

não tenho medo da morte
mas medo de morrer, sim
a morte e depois de mim
mas quem vai morrer sou eu
o derradeiro ato meu
e eu terei de estar presente
assim como um presidente
dando posse ao sucessor
terei que morrer vivendo
sabendo que já me vou

então nesse instante sim
sofrerei quem sabe um choque
um piripaque, ou um baque
um calafrio ou um toque
coisas naturais da vida
como comer, caminhar
morrer de morte matada
morrer de morte morrida
quem sabe eu sinta saudade
como em qualquer despedida.

C. disse...

faz todo o sentido. O medo do "durante" é desconcertante.