28 de out de 2010

Controle.


Para ela ter o controle total de suas atitudes é tão difícil quanto resolver um cálculo com mais de duas incógnitas (vai, basta ter mais de duas casas que ela já se atrapalha toda e pede para sair).
Para ela não fazia sentido escolher uma faculdade, um curso, uma profissão aos 18 anos.
Para ela não fazia sentido escolher um namorado em meio a bagunça que era sua mente.  Não fazia sentido ser escolhida. Não fazia sentido beijar vários caras na balada. Ela bem que tentou, mas sentiu-se um daqueles bonecos de plástico com vários comandos: Não se envolva. Não ache que ele disse isso só para você. Não mande mensagens. Mais que duas então, nem pensar. Não ache que ele será o cara. Não faça essa piadinha agora. Não seja você.
Ela cansou disso tudo muito antes de começar.
Que raio de vida era aquela tão fabulosa que as garotas lhe contavam, que envolvia beijos variados e romances quentes. Ela se cansou.
Para ela não fazia sentido estar com alguém só por estar. Seja para uma conversa  em um bar qualquer ou em um quarto. Ela sempre quis saber o sentido disso. Ela sempre se questionou muito. Sobre tudo. Mesmo que o sentido disso lhe direcionasse para algo sem sentido. Mas, ela precisava saber que aquilo era despretensioso, sem sentido.
Ela viveu, aprendeu, conversou, quebrou a cara, fez muitas coisas sem sentido,dormiu chorando, acordou se sentindo em um filme de sessão da tarde,  perguntou milhares de vezes qual o sentido, e quando abriu os olhos se viu em uma situação que não desejava.
Ela começou, tentou, terminou. Ela voltou. Ela pediu uma chance. Ela viu que aquilo que ela pensava que queria era na realidade, só um capricho, não o seu mundo. Ela abriu mão, ela deu a cara a tapa.
Ela chorou. Ela pediu para sair. Ela viu seu mundo mudar de configuração milhares de vezes.
Ela pediu demissão. Ela foi questionada. Ela é interrogada. Ela aprendeu a dizer palavrão, a falar firme, e a dizer não. Ela não quer ter. Não agora. Ela não quer ceder, não agora.
Ela às vezes acha que esse é o caminho. No outro segundo, ela gostaria de ser de outro jeito. Sofreria menos, magoaria mais. Ela tem muita coisa na cabeça. Ela  tem um coração.
Ela pode amanhã fazer tudo ao contrário, se achar que descobriu o sentido. Ela precisa querer.
Ela precisar não dizer um NÃO entalado em plena quinta –feira.

Nenhum comentário: