28 de out de 2010

Controle.


Para ela ter o controle total de suas atitudes é tão difícil quanto resolver um cálculo com mais de duas incógnitas (vai, basta ter mais de duas casas que ela já se atrapalha toda e pede para sair).
Para ela não fazia sentido escolher uma faculdade, um curso, uma profissão aos 18 anos.
Para ela não fazia sentido escolher um namorado em meio a bagunça que era sua mente.  Não fazia sentido ser escolhida. Não fazia sentido beijar vários caras na balada. Ela bem que tentou, mas sentiu-se um daqueles bonecos de plástico com vários comandos: Não se envolva. Não ache que ele disse isso só para você. Não mande mensagens. Mais que duas então, nem pensar. Não ache que ele será o cara. Não faça essa piadinha agora. Não seja você.
Ela cansou disso tudo muito antes de começar.
Que raio de vida era aquela tão fabulosa que as garotas lhe contavam, que envolvia beijos variados e romances quentes. Ela se cansou.
Para ela não fazia sentido estar com alguém só por estar. Seja para uma conversa  em um bar qualquer ou em um quarto. Ela sempre quis saber o sentido disso. Ela sempre se questionou muito. Sobre tudo. Mesmo que o sentido disso lhe direcionasse para algo sem sentido. Mas, ela precisava saber que aquilo era despretensioso, sem sentido.
Ela viveu, aprendeu, conversou, quebrou a cara, fez muitas coisas sem sentido,dormiu chorando, acordou se sentindo em um filme de sessão da tarde,  perguntou milhares de vezes qual o sentido, e quando abriu os olhos se viu em uma situação que não desejava.
Ela começou, tentou, terminou. Ela voltou. Ela pediu uma chance. Ela viu que aquilo que ela pensava que queria era na realidade, só um capricho, não o seu mundo. Ela abriu mão, ela deu a cara a tapa.
Ela chorou. Ela pediu para sair. Ela viu seu mundo mudar de configuração milhares de vezes.
Ela pediu demissão. Ela foi questionada. Ela é interrogada. Ela aprendeu a dizer palavrão, a falar firme, e a dizer não. Ela não quer ter. Não agora. Ela não quer ceder, não agora.
Ela às vezes acha que esse é o caminho. No outro segundo, ela gostaria de ser de outro jeito. Sofreria menos, magoaria mais. Ela tem muita coisa na cabeça. Ela  tem um coração.
Ela pode amanhã fazer tudo ao contrário, se achar que descobriu o sentido. Ela precisa querer.
Ela precisar não dizer um NÃO entalado em plena quinta –feira.

24 de out de 2010

Hoje eu queria seguir todos conselhos. De todos. Menos os meus, sensatos, calculados. E fazer tudo o que me desse vontade. Hoje eu queria pensar que o mundo realmente vai acabar amanhã... Hoje eu queria ser irresponsável, só para variar.

22 de out de 2010

Dias frios já são mega complicados para mim. Explico: odeio frio e qualquer referência ao mesmo.
Agora, lá vou eu toda cidadã acordar às 06h e enfrentar uma fila de 10 raios (enfim, não sei medir nada....logo a minha referência são raios.Tá perto? 01 raio. Tá médio? 05 raios. Tá  longe? 10 raios. Não sei chegar? 20 raios) para chegar até a catraca do metrô carrão. Aí o meu bilhete único diz: - cartão inválido. E  eu para não ser ovacionada na fila, tento mais uma vez e me retiro.
Mas, pensei:
 - Deve ter sido um piripaque do bilhete, deixa eu tentar de novo. E peço para a próxima pessoa da fila:
- Deixa eu tentar de novo?
Ela então me olha, vira  a cara e passa a catraca.
Nem preciso dizer que eu já fiquei possessa né? E falei:
- Não né?? Não posso.
A moça então confirmou:
- Não, você vai enfrentar  a fila como todo mundo.
Aí, eu não agüentei. Disse para ela que já estava na fila, simplesmente o bilhete não funcionou.(Mandei ela para o inferno também, claroooo). Eu só estava precisando de uma ajuda, caramba. E falei isso tudo em um tom de voz bem grave (o que não é comum para mim...que sempre sou calma. Ou pelo menos era, já que não ando me reconhecendo em certas situações). Mas eu fiquei possessa. Sorte que minha irmã estava lá e me emprestou o bilhete dela e uma alma caridosa me deixou passar a catraca.
Nossa, mas eu fiquei com nojo daquela mulher. Nojo pela falta de senso das pessoas. Ninguém mais pensa: Eu posso passar por isso também.
É claro que na mesma hora meus planos de ir para o interior voltaram à tona .E eu como estou sensível e de TPM, quase chorei no metrô depois da discussão.
É gente, eu não entendo o sentido de tudo isso. Se alguém souber me avisa? Por que temos que viver no meio de tanta gente vazia que simplesmente carrega um corpo por aí? Pq?

19 de out de 2010

Me doeu demais esperar um pouco para não passar ao teu lado na catraca, mas quando eu menos espero dã...Me doeu demais fingir que eu não te conhecia.

11 de out de 2010

Tenho um defeito: Dificuldade em falar sobre o que realmente importa. Ajudaria muito se eu pudesse dar o meu diário para as pessoas que realmente me importam.

10 de out de 2010

Na faculdade temos uma aula em que simulamos a administração de um sistema.

O professor passa atrás da mesa do meu grupo e vê um número absurdo no sistema, e logo pergunta gritando: 
- O que vocês estão fazendo????

 Eu respondo, na maior malandragem:

- Eu tô chutando números, até dar certo...

- Eu vou chutar a sua cabeça menina, infernoooo!

Pq , pq eu fui fazer administração?? Só para ferir minha dignidade, para ser humilhada em público,  acho que tenho tendência para o sado...

Achei mais digno depois da conversa que tivemos, apagar aquele post cheio de ??? E colocar no lugar algo de maior valor. Algo que supera qualquer dúvida.










Te amo. Assim. Sem vírgulas. E quero fazer dar certo.