13 de jul de 2010

I HATE.

Falta de sensibilidade. Egoísmo de todas as formas e indiferença.

Odeio aqueles que fazem “amizade” por necessidade e não por encontro.

Odeio aqueles que acham que as coisas são imutáveis, seja lá o que for.

Odeio o fato de ter que socializar em situações que não queria estar.

Odeio ter que trabalhar naquilo que eu não gosto. E odeio o fato de ser 8 longas horas.

Odeio o fato de não saber do que eu gosto. Por que aquilo que eu não gosto, eu tenho de cor.

Odeio gente que não toma uma postura diante da vida.

Odeio aqueles que sempre acham que devem uma satisfação das suas atitudes, vontades e sonhos.

Odeio quando não tenho o que fazer e me vejo obrigada a escrever coisas deprês em qualquer rascunho que encontro.

Odeio o fato de não ter me descoberto antes, tudo seria mais simples. Se bem que eu sempre acabo dando valor às coisas difíceis da vida.

Odeio situações em que eu acabo encarnando um personagem: sorrio quando quero chorar, falo quando quero calar e aceito, quando minha vontade era gritar um sonoro NÃO!

Odeio a pressão que este mundo faz com a gente e que acabamos anexando a nossa vida. Pressão para sermos sempre os melhores, os mais realizados na vida, os mais bem empregados, os mais bem falados, os mais sem personalidade....

Odeio o fato de nunca poder fracassar e poder dizer: Errei, me dei mal, mas vou tentar de novo.

Odeio o fato de se ter que agüentar situações que te consomem, pessoas que te sugam e acabar o dia dormindo com os seus sonhos debaixo do travesseiro. Ainda perguntam por que se tem tanto pesadelo!

Odeio a hipocrisia de dizer que todos são hipócritas. A hipocrisia virou moda. Na minha opinião, a hipocrisia é um disfarce para a falta de posicionamento no mundo. Ninguém sabe onde está, ninguém diz o que quer por que não reconhece o terreno em que está pisando. Hipocrisia é um mal instalado na cabeça de muitos, que para sobreviver disfarçam suas dores e vontades.

Odeio o fato de saber que ao pegar um ônibus verei dezenas de crianças passando fome e outras tantas doentes sem nem terem sentido a sensação de como é fazer parte de um mundo tão grande que te deixa perdido. Odeio o fato de crianças poderem morrer.

Odeio o fato de achar que tudo dura para sempre: a dor, a vontade, o medo e a falta de perspectiva. Odeio o fato de não ter descoberto Heráclito antes. Teria mais paz se soubesse que tudo é movimento e que ninguém se banha no mesmo rio duas vezes.

Odeio o fato de ter tantos filmes para ver, tantos livros para ler e tantas músicas para ouvir e eu ainda estar aqui: cercada de “odeios” particulares.

Nenhum comentário: