30 de abr de 2010

Sobre VC.

Vc salvou o meu dia. Cada minuto dele. Eu realmente sou muito feliz por ter VC comigo.
Te amo demais!

29 de abr de 2010

O Tempo.

Não existe mais a  paciencia de construir histórias, queremos ir logo para o FELIZES PARA SEMPRE. E a queda é grande. Tantos EU TE AMO ditos no tumulto, no desejo, mas não na calma, não aquele Eu te amo que é conquistado, que vem de dentro. A gente não dá mais tempo para unir idéias, valores, planos, criar intimidade, sonhos e já vai logo unindo a vida, ou só o corpo. A gente não quer dar um passo de cada vez e curtir aquela pequena conquista. A gente só consegue esperar pelo grande desfecho, pelo vitória do final do segundo tempo. A vida é tão curta para a gente só esperar pela realização plena, total. A gente tem felicidade no meio desse tempo também. A gente tem uma vida acontecendo nesse tempo. A gente quer logo conquistar a felicidade plena. A gente não sabe mais construir relacionamento, vidas profissionais tijolo a tijolo, defeito a defeito, felicidade a felicidade, não a não, sim a sim. A gente quer  tudo, se não for assim, a gente não quer mais nada e muda a rota. 
E no final dessa corrida maluca, o que sobra pra gente??? Um pouco de nada, histórias incompletas, histórias que mal tiveram seu começo e já estão acabando....afinal foram sendo construídas em terra fofa...


Sobre a faculdade I

Sabe, este é meu último ano na faculdade. E pensando assim em tudo o que eu vivi nesses quase 4 anos (caracas) uma coisa de que vou sentir muita falta, muita saudade é das aulas de Teoria das Organizações. Eu simplesmente não dou pra coisa, odiei esta matéria, tirei 1,0 (hum) na primeira prova (um minuto de silencio)...mas eu adoro e me emociono em quase todas aulas da Professora Geovana. Sinceramente, eu tenho que segurar o choro. Por que ela parece conhecer cada momento que estou passando. Parece saber cada dúvida que está na minha cabeça louca. Eu simplesmente amo quando ela para de falar de teorias da subjetividade e dos Taylors da vida e passa a falar com a gente da vida. De igual para vida. Me sinto como se estivesse em uma terapia. E parece que a sala toda pensa o mesmo, só que ninguém comenta os seus comentários. Só escutam atentamente. E ela continua a falar da vida. Ela toca na ferida de cada um alí, por isso todos ficam em silencio. 
Hoje a aula era sobre Ecologia Organizacional, mas não sei como ela chegou na pressa do ser humano em querer tudo para ontem, a praga do mundo moderno: a felicidade instantanea. Ela contou um caso de uma aluna que contraiu várias doenças venereas de um namoradinho que conheceu na praia. A menina linda, uma boneca sumiu da faculdade após dizer que passaria por um exame de HIV. E ela dividiu com a gente a tristeza dela ao ver tudo começar e acabar tão rápido pelo simples fato da obrigação de se ceder a absolutamente todos os desejos. (E a Geovana não é uma pessoa careta se vc quer saber. Ela é toda modernosa, fala besteiras e palavrão na sala, além de ser tatuadora nas horas livres). Mas ela estava triste ao ver as pessoas se perdendo no meio dos outros. Ela chegou a se perder no meio dos outros, já se viu sendo machucando -se por medo de machucar os outros. Já fez milhares de coisas nas quais não viu a Geovana, e sim um fantoche pronto a satisfazer o outro. E aquelas palavras me tocaram. Me doeram. Talvez por que eu como qualquer mulher de 22 anos passa por essa fase em que está alí com medo de fazer coisas  pelo outro e acabar passando por cima de coisas que realmente lhe eram importantes. Ela disse que compreendeu muito disso ao ter uma doença grave em determinada fase de sua vida e ver que por mais que as pessoas "tentassem" lhe apoiar, só ela poderia passar e atravessar aquela situação. Ela viu que poderia viver sem dezenas de pessoas, nas não poderia (de jeito nenhum) viver sem a Geovana. Ela desejava a Geovana, ela precisava demais da Geovana. Aí as coisas começaram a ficar mais fácil na sua vida. Ela se encontrou. Pessoas vão e vem e ela fica. Ela sempre fica. Ela põe a cabeça no travesseiro seja uma noite com fulano, na outra com beltrano, mas depois que eles dormem ou vão embora, é ela com ela. E só. Ela precisava muito dela.
Geovana  dispensou uma pessoa que estava com ela há 16 anos, razões pessoais, mas ficou claro que ela não conseguia ser e ter ela mesma na presença dessa pessoa. E hoje ela está em primeiro plano na sua vida. Giovana se encontrou. Giovana se achou. E me deu uma vontade enorme de me achar também.Colocar algumas coisas no lugar na minha vida. E poder dizer essa sou eu.Pense o que quiser. Ela disse que depois dessa "descoberta" dela mesma, ela passou a sentir -se muito mais confortavél com ela mesma, com suas atitudes. Veio a paz. A paz no meio de qualquer bagunça. Aquela paz.Ela se reconheceu no espelho e em todas as suas atitudes. Ela tornou-se dona da própria história.
Eu te entendi Geovana!

28 de abr de 2010

Não se preocupe...

As pessoas uma hora ou outra vão conseguir dizer alguma coisa que vai te magoar. Isso acontece o tempo todo. Por que eu achava que não aconteceria comigo???

25 de abr de 2010

Agora

 "Nunca se explique. Para seus amigos, não é preciso se explicar. Para seus inimigos, é inútil se explicar"



Às vezes eu paro pensar onde eu estou agora. Aqui, trabalhando na recepção de um Shopping (não que eu não goste daqui, mas eu não quero ser recepcionista a vida toda), prestes a concluir meu trabalho de conclusão de curso, nunca atuei na minha área, meio decepcionada com algumas coisas...mas por outro lado eu tenho coisas ótimas na vida. Eu não precisei tomar injeções a vida toda, eu não tive nenhuma complicação depois do susto que tive quando criança. 
Eu tenho uma família a quem eu tenho certeza que faria tudo por mim....Afinal, eles ´já fazem tudo por mim. E eu acho que eu não sei lidar muito bem com esse "faço tudo por vc"... é pesado demais para mim. Me sinto sufocada demais.
E acho que 99% das discussões que tenho com minha mãe vêm daí. Não das palavras dela de "faço tudo por vc...e sim das atitudes que dizem muito mais, que dizem "eu aposto minhas fichas em vc".
Eu absolutamente não sei lidar com esse peso nas costas. Estar no foco 100% do tempo de alguém não é para mim. Gosto de vãos livres. De pausas para respirar. De lacunas para errar e aprender. Gosto do tentar. E esse tentar, essa minha inquietação não se encaixa no "aposto minhas fichas em vc". Por que ter alguém que sempre espera o melhor de vc, é tenso demais. Vc passa a conduzir sua vida na perspectiva de: " Isso é 100% seguro? Acho que não (Afinal, nada é 100% seguro)....Então a minha tentativa morre ali. Morre no não tentar, morre no não errou, morre na perfeição que só consegue quem nunca fez nada acima da linha de segurança total".
 Eu não quero ser o 100% de alguém. Eu não posso ser o 100% de alguém, quando eu não sou nem o meu 100%. Logo eu que me surpreendo a cada minuto.Eu que penso coisas impensáveis e que tem sonhos e desejos que a olho nú vão contra 100% da realidade. Eu sou isso:?. Por hoje, agora, eu sou isso. Amanhã, pode acontecer alguma coisa que mude totalmente o meu foco de visão e eu passe a ter várias certezas que eu tanto procuro. Mas, hoje eu não posso garantir 100% para ninguém. Ajo com o coração, pois é nele que está o melhor de mim. Se engana que o meu melhor está guardado no meu cérebro. O meu coração me faz mudar cada vez que me vê seguindo um caminho sem corações. Se eu seguir o meu coração, eu sei que tudo lá na frente vai se explicar por si só.
Preciso sentir antes de pensar. Isso explica horas e horas para decidir alguma coisa, ou situações pendentes no meu coração que estão aguardando uma solução. Explica também as respostas não dadas no momento da perqunta. Se eu não consegui dar uma resposta pra vc, pra mim, pra vida, é sinal de que nada consta aqui dentro. Eu não sou racional. Não sou nada boa com números e cálculos matemáticos. Sou 100% movida a emoção. Sou coração, pensamento, palavras e sentimentos. Difícil me ver seguindo a massa, as estatistícas ou tendo o comportamento similar a um investidor da bolsa de valores. Não dá. E quando me esforçei para fazer dar, indo contra ao que dizia aqui dentro, me tornei prisioneira de mim mesma, das decisões tomadas de dentro para fora. Não dá. 
Hoje percebo que tenho muito mais angústias aqui do que quando desconsiderava o que eu tinha aqui dentro, hoje eu tenho muito mais perguntas que respostas, situações completas. Hoje eu sei que nada é fixo.
Mas, uma coisa eu tenho certeza: Hoje eu sei que cada atitude tomada, cada palavra dita não dizem nada de mim, eu não sou passível de resumo, síntese, hoje eu não me dou a todas as situações, não me dou a todas as pessoas... hoje eu procuro muito mais que isso. Hoje, eu sinto que estou no caminho certo.
Por que tudo parece tão mais simples, tão mais leve quando estamos juntos???

22 de abr de 2010

Ah, a vida

Não consigo dizer ao certo quando foi que aconteceu, mas o que venho vendo dia a dia é duro, mas real. Não sei de quem a é a culpa e nem se teve culpados. A única coisa de que tenho certeza é de que não me sinto confortável estando assim...pela metade na tua vida, e vc estando assim pela metade na minha.
Mas, não vejo uma saída. E não queria ver tua saída assim....Mas, confesso que estou sendo totalmente ação e reação...E isso é péssimo: Retribuo carinho com carinho, "deixa pra lá, com deixa pra lá"... Vc chamaria isso de passividade, eu chamaria isso de auto defesa... mesmo sabendo que no amor não deveria ser assim. E é exatamente por isso que me questiono.


"As vezes as pessoas fazem jogo duro, porque precisam saber se os sentimentos da outra pessoa são reais."

21 de abr de 2010

Oi?

Realmente, eu acho que eu sofro de algum surto constante. Realmente, eu não penso como todos pensam..não consigo  agir como todos agem e não quero o que todos querem. E naquela conversa com uma amiga, eu vi que eu não dou importancia para aquilo que os outros dão. Eu realmente não ligo para namorado 10x ao dia, eu não fico pensando o que ele estará fazendo, falando, vendo durante 24 longas horas. O meu foco não é esse. Eu simplesmente acho ridículo isso tudo. Isso de que namorada tem que agir assim. Eu não penso assim. Eu simplemente confio. E se estiver te fazendo de boba? Ah, querida, isso mais cedo ou mais tarde vem... mas eu simplesmente confio nas pessoas. Mas, quando elas me mostram o que elas são, eu realmente acredito! Eu não desconfio.
Essa sou essa. Não vou fazer só o que esperam de mim.

14 de abr de 2010

A tal felicidade

Tá decidido e . final: Eu só quero ser feliz. Seja com VC ou sem VC. Eu quero estar em paz com a minha felicidade. Afinal, a minha felicidade não é aquela convencional, cheia de sorrisos, 2 beijinhos em cada bochecha, luzes coloridas... A minha felicidade, essa que eu quero e que eu sinto agora independe de tudo isso. É essa aqui. Isso essa mesma que ficou mesmo depois de tanta bagunça na mente, mesmo depois de achar que tudo estaria perdido, mesmo sem saber o que eu vou ser, mesmo com textos enormes de T.O  para ler as 23h da noite, mesmo sentindo VC tão tão longe...mesmo sem saber o que eu realmente quero. Exato, essa felicidade ficou aqui, resistiu a tudo.

13 de abr de 2010

Sons

Escutei a música que sempre me fazia lembrar dele. E hoje não foi diferente. Mas durou apenas 3 segundos, por que logo em seguida VC como se entrasse na música que pertencia a ele... me teletransportou para VC. E hoje eu descobri que essa música não pertence mais a ele. 

Você não acredita como eu me importei com você, como eu reparava nos teus cacoetes, ouvia tua voz e pelo tom eu percebia como andava o teu humor, como eu sabia bem dos teus horários, teus macetes, eu poderia ter escrito teu diário, tanto eu te conhecia.

Martha Medeiros

11 de abr de 2010

...

Não precisava ser cego para ver. Não adiantava mais fingir que estava tudo bem. Eu peguei no ar. Eu peguei nos seus olhos e nas suas palavras. Mas, simplesmente não queria acreditar...eu só queria acreditar que estava tudo bem...que era só os dias passarem e a gente voltaria ao estado normal (acreditei que éramos resilientes, sabe?). 
Mas, como eu sempre digo: uma hora a bola cai. E eu vi que não dava mais para fingir... Não importa se é das coisas que fazemos ou se é de mim ou das coisas que ainda não fizemos. O que importa é que a sensação não é aquela de " vc me fecha como ninguém", completo. A sensação é de falta, de enjoo, de anseio por novidades. A calma não traz aquela felicidade, aquele prazer. E eu não preciso escrever o que eu quero fazer agora. Eu não preciso. Eu não quero. Mas eu vou ter que falar, fazer. E dói pensar isso. Mas isso aconteceu e não vou fingir que não é comigo.

Só te peço uma coisa: Não idealize. Não complique. Não me confunda depois de tudo parecer tão certo aqui dentro. ´E incrivel como vc parece estar lendo tudo que eu estou escrevendo aqui. 

10 de abr de 2010

Todaa vez é a mesma coisa: eu tenho um concurso, uma prova ou algo do tipo e toda a família faz aquela pressão: Por que vc está aq e não está estudando?? Gastou dinheiro e está perdendo tempo!
Meu, eu não aguento essa pressão! Eu não suporto ter alguém como radar 24h/ dia. Simplesmente não consigo isso. É da minha personalidade, é do meu jeito, é requisito básico para minha sanidade mental. E digo sério. Não suporto me sentir presa, vigiada, rastreada. Preciso de tempos comigo mesma. E isso não estou tendo...e não sei o que fazer para reverter isso.

2 de abr de 2010

* Como colocar para fora tudo o que vc está pensando e sentindo? Como materializar os seus sonhos, os seus ideais? Como sentir uma pessoa ao seu lado, de verdade? Como saber que esta pessoa é a certa pra vc? Como sentir que vc terá alguém ao seu lado em situações variadas? Como realizar tudo aquilo que vc quer, mas que por alguma razão não sabe nem o que é?

1 de abr de 2010

Sobre a vida e filmes

" A gente podia enrolar nossas vidas mais alguns anos, sofrer, fazer outras pessoas sofrerem e depois ter que dizer adeus. Mas, eu prefiro dizer adeus agora e é isso que eu estou fazendo. Isso é somente o que pode a acontecer entre a gente. Adeus".


" Eu queria cursar Direito com o objetivo de defender causas sociais, mas pensei que quando se defende um garoto em um tribunal, já se perdeu a guerra. Então, resolvi ser professora, pois é na sala de aula que as coisas tem que começar."

....... E eu me vi nas duas situações. E eu estou muitoo sentimental esses dias. Qualquer coisa me toca e me faz chorar! Acho que alguma coisa muito boa vai acontecer, por que eu ando desejando muito de muito. Ou muito de pouco. Depende do ponto de vista!


... A primeira é do filme Garçonete. O filme é lento e dá sono, mas essa frase me ganhou e fez valer a pena ter assistido todo o filme.
... A segunda é do filme Escritores da Liberdade. Eu ainda não terminei, só vi uns 15 min, e não vejo a hora de ter uma hora inteira para terminar!