13 de nov de 2009


Difícil falar sobre paz, quando todos pregam o barulho, para que ninguém escute a si mesmo, não pense, nãreaja, e sim siga a massa. Vivemos lotados de vontades, de "querer", de conseguir, de fazer e acontecer, mas quando eu fico no silêncio por alguns segundos, só comigo, eu vejo o que realmente importa: paz.




É nesse momento que eu fico cara a cara com todas as minhas dúvidas, com todas as minhas certezas, com todas as consequências do que fiz, vivi e com todos os meus sonhos...!
É aí que quando tem algo me incomodando, que sinto a tão conhecida "angústia". Aí sinto aquele aperto no peito que me sinaliza "alerta".... Aí eu preciso de um tempo comigo para descobrir o que é aquela pontadinha...aquela falta!

Já descobri o motivo de várias angústias: medo do que vem pela frente, controle exagerado sobre mim...falta de liberdade, saudade,  receio de perder alguém familiar...pressa de ver os problemas resolvidos, de ver minha irmã feliz de verdade...e por aí vai...! Já outras, eu ainda não descobri . Não faço a mínima idéia. Devo ter alguma inquietação, algo lá no fundo, algo que vez ou outra aponta aqui dentro. Li Clarice uma vez, onde ela comentava dessas inquietudes...algo que é intrínseco a pessoa...que faz com que ela deseje o que ela nem sabe o que.
É às vezes ele demora a passar. Ou não. Sou de momentos... Um abraço apertado pode fazer "ela" passar rapidamente.Ou uma nova vontade dá lugar à ela. Aí eu guardo essa sensação em uma gaveta e mudo foco.

Se eu quero que isso me deixe algum dia? Não saberia responder....por que foi nos momentos em que eu me sentia mais inquieta, foi que eu optei  pelas mudanças, pelo novo, pela chance...Saldo: Alguns negativos, mas outros que fizeram valer a pena todos os outros.



P.S.: Dú....sai dai e vai ler um livro! ehhehhe

Um comentário:

Eduardo Baldoino disse...

Agora o meu livro preferido é esse!