19 de out de 2009


Ontem, era mais de 22h30 e eu estava chegando em casa, meio mal humorada como de costume. Não pelo serviço em si, mas pelo cansaço mesmo. Quase na minha rua, me deparo com um homem carregando uma "carroça" carregada de papelão, isso debaixo de uma garoa fina (na minha opinião, a mais deprimente). Não sei o que me deu, mas me veio na cabeça na hora: " Poxa, como será que esse homem estará daqui a 10, 20 anos??"
E essa pergunta me assusta, me instiga a toda hora. Eu particulamente, acho que sou muito reclamona, mas cada vez que vejo uma cena similar à essa, me sinto como se tivesse levado um balde de água fria. Um raio de consciência.

E fiquei me questionando: "Se eu  que estou estudando inglês, fazendo faculdade, tendo todo o apoio dos meus pais e irmã para construir alguma coisa lá na frente, sou assombrada por diversos pensamentos angustiantes.O que será que passa pela cabeça daquele  homem carregado de papelão???"

Eu queria poder fazer algo para dar um rumo na vida de alguma dessas pessoas. Acho que na verdade a gente não quer saber para onde está indo. A gente no fundo só quer ir, ir indo...progredindo passo a passo, ver  lá na frente que algo de melhor pode aparecer, que  há uma esperança.
Eu no fundo, vejo isso.Sei que estou batalhando para alcançar algo ainda não palpável, mas imaginável. Mas, e aquele homem? O que ele imagina? O que ele está conseguindo fazer para conseguir imaginar algo de bom para o seu futuro???

O quê estaria ao meu alcance no sentido de promover algum caminho para essas pessoas?
 Aceito sugestões. E falo sério.

Nenhum comentário: